O que faz um vigilante sanitário

O que faz um vigilante sanitário

O que faz um vigilante sanitário

A principal função da vigilância sanitária, também conhecida como VISA, é atuar no interesse da saúde pública. Para isso, ele verifica, multa, intervém e aplica alvarás em instituições de diversos setores.

 

Associado ao Sistema Único de Saúde (SUS), também tem a missão de controlar os diversos tipos de problemas de saúde que podem surgir. Assim, evitando de qualquer forma os impactos tanto no meio ambiente quanto na vida.

O que é vigilância sanitária?

A vigilância à saúde é um conjunto de ações que visa eliminar, minimizar ou prevenir os riscos à saúde. As ações também incluem intervenções em problemas de saúde relacionados ao meio ambiente, produção e circulação de bens e prestação de serviços.

 

A definição anterior vinha da Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990. É essa definição que rege as atividades e serviços de saúde no país. Falaremos mais sobre esse padrão neste artigo.

 

É importante esclarecer que a vigilância à saúde é uma das áreas de governo que tem como foco a proteção e promoção da saúde. Ou seja, conta com o apoio de agências e outras instituições, por isso seu trabalho é eficiente.

 

Qual é o papel da vigilância sanitária?

Isso é para melhorar a saúde da população. Para isso, atua como contribuinte, visitando estabelecimentos e analisando se oferecem a segurança necessária.

 

Ele também intervém nos problemas de saúde atuais, promovendo recomendações para que não causem mais danos às pessoas e ao meio ambiente.

O que faz um vigilante sanitário

Há um claro interesse por trás de tudo isso: garantir o bem-estar físico e moral de uma pessoa. Assim, oferecendo condições para que vivam com dignidade e segurança.

 

Do lado prático, não podemos esquecer que a vigilância em saúde tem impacto direto na ação governamental. Afinal, se, por exemplo, surgirem novas bactérias, o sistema de saúde pode ficar sobrecarregado. É necessário um investimento adicional.

 

Além disso, autoriza o uso ou não de medicamentos e vacinas.

Quem gerencia a vigilância sanitária no Brasil?

Trata-se da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Ele cria regras e regulamentos e fornece todo o suporte para as atividades a serem realizadas em nível nacional.

 

O papel original da ANVISA era monitorar e prevenir a propagação de doenças infecciosas. Desde a sua criação, a empresa adquiriu novas áreas de especialização. Além da supervisão sanitária propriamente dita, ele é responsável por:

 

  • Vigilância epidemiológica;
  • Observação de higiene ocupacional;
  • Monitoramento da saúde do meio ambiente;
  • Promoção de estilos de vida saudáveis;
  • Análise da situação de saúde da população brasileira.

 

Além disso, desenvolve atividades de controle e fiscalização sanitária em:

 

  • Portas;
  • Aeroportos;
  • Fronteiras.

 

Esse controle evita, por exemplo, que pessoas entrem no Brasil com alimentos em mau estado ou suspeitos.

 

Embora a governança seja centralizada, a responsabilidade pela ação é dos municípios. Estado e União atuam apenas de forma complementar. Como no caso dos riscos epidemiológicos, que requerem profissionais e tecnologia especial.

 

Qual a importância da descentralização da VISA no Brasil?

O principal significado é que o município está mais próximo da população. É ele, de fato, quem conhece os problemas da vida cotidiana. E, portanto, ele é capaz de oferecer respostas mais rápidas.

 

Vamos colocar em prática: De acordo com o IBGE, existem 5.570 cidades no Brasil. Agora imagine se o Sindicato tivesse que atuar em todos eles, gerenciando equipes e exigindo ação. Vamos enfrentá-lo: não poderia funcionar!

 

Ao contrário, com a divisão de responsabilidades, o controle se torna mais rigoroso. Além disso, é mais fácil para os municípios integrar setores e especialistas. Isso irá acelerar a melhoria da saúde.

 

O que a lei diz sobre isso?

Além de descrever a importância da vigilância sanitária, a Lei 8.080, mencionada anteriormente, também esclarece as atribuições de cada órgão governamental. A intenção é reduzir a burocracia e otimizar a produtividade.

 

Nas palavras dela:

 

  • A União deve emitir apenas regras gerais para as suas atividades em todo o país;
  • Os Estados têm a obrigação de se coordenar e complementar com ações e prestação de serviços relacionados à proteção da saúde do trabalhador. Complementando assim a legislação sobre as normas gerais da União para este setor;
  • Os municípios são responsáveis ​​pela aplicação e implementação das ações, bem como pelos próprios serviços de vigilância em saúde. Seguindo, é claro, as leis federais e estaduais aplicáveis.

 

Outra norma importante para a promoção da ação em saúde no Brasil é a Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999.

 

Foi ela quem criou o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária e criou a ANVISA. Esta autarquia está vinculada ao Ministério da Saúde e tem uma série de responsabilidades. Além dos já mencionados acima, destacam-se os seguintes:

 

  • Coordenar o sistema nacional de vigilância sanitária;
  • Promover e conduzir pesquisas e pesquisas dentro de seu mandato;
  • Oferecer, monitorar e implementar políticas, diretrizes e ações de vigilância à saúde;
  • Estabelecer normas e padrões para valores-limite de poluentes, resíduos tóxicos, desinfetantes, metais pesados ​​e outros agentes nocivos à saúde;
  • Fornecimento de registro de produtos;
  • Emitir e revogar Certificado de Boas Práticas de Fabricação.

Diretrizes e princípios VISA

Os mesmos princípios e diretrizes que regem o trabalho do SUS norteiam a atuação dos profissionais de saúde. Mas o que são eles? Dê uma olhada neles abaixo:

 

  • Universalidade de acesso a serviços médicos em todos os níveis de atenção;
  • Assistência integral, incluindo medidas e serviços preventivos e curativos, tanto individuais como coletivos;
  • Manter a autonomia das pessoas para proteger sua integridade física e moral;
  • Equidade em saúde. Portanto, esteja livre de preconceitos e privilégios de qualquer tipo;
  • Direito dos pacientes à informação sobre sua saúde;
  • Disseminação de informações sobre o sistema de saúde como um todo;
  • Usar a epidemiologia para determinar prioridades, inclusive em relação ao investimento de recursos;
  • Participação da comunidade;
  • Descentralização Política e Administrativa;
  • Integração no nível executivo da atuação em saúde, meio ambiente e saneamento básico;
  • Combinar recursos financeiros, tecnológicos, materiais e humanos na assistência à população;
  • A capacidade de atender aos serviços em todos os níveis de atenção;
  • Organização de utilidades para evitar duplicação.

 

Interessado na área? Confira o Curso de Vigilância Sanitária!

 

Continue lendo nosso site!

As melhores dicas para você aprender a se maquiar em casa

Maquiagem

Às vezes você precisa ir a eventos importantes, casamentos ou aniversários, mas não sabe fazer maquiagem linda como muitos youtubers, certo? Então, hoje você tem que aprender a se maquiar!

Claro, maquiagem sozinha parece ser uma coisa muito difícil, mas acredite em mim, não! Maquiagem pode ser complicada, mas qualquer um pode aprender com muita prática.

Para quem não está acostumado a se maquiar, é preciso começar aos poucos. Primeiro, aprenda como corrigir a pele do rosto, ocultar manchas e, a seguir, usar outras técnicas para melhorá-la com o tempo. Por exemplo, estilos de maquiagem como olhos esfumados e silhuetas de gatinhos.

Além da prática regular, assistir a tutoriais e vídeos no youtube também é ótimo. Isso o ajudará a aprender muito, então você não precisa fazer um Curso de Maquiagem online.

Se o seu objetivo é entrar nesse mundo lindo e aprender maquiagens, primeiro você precisa fazer um investimento financeiro no produto e investir tempo para colocar em prática tudo o que aprendeu lendo tutoriais ou assistindo a vídeos.

Como se maquiar: maquiagem diária

Para a maquiagem do dia a dia, o princípio geral é preparar a pele, contornar os olhos com rímel, contornar as sobrancelhas com lápis de sobrancelha e dar um toque de cor ao rosto com blush e batom neutro.

1. Limpe e hidrate sua pele

É importante lavar o rosto com água fria, lavar o rosto com sabonete adequado, secar a pele e aplicar o sabonete de limpeza com água micelar, por exemplo, é uma excelente opção para remover impurezas e resíduos cosméticos da pele. Aprenda mais sobre este produto.

Por fim, aplique essência e hidratante para permitir que a pele absorva esses produtos antes de prosseguir para a próxima etapa. Não se deve exagerar na quantidade de soro e creme, pois isso afetará o efeito final da maquiagem.

2. Aplicar primer

Definimos o primer como sendo um produto muito usado sempre após os cuidados hidratantes, ele tem a função de ajudar dentro da preparação da pele para receber então a maquiagem. Este produto tem a função de suavizar e iluminar a pele, ajuda a fixar outros produtos e, em alguns casos, ajuda a controlar a oleosidade ao longo do dia.

3. Aplique base e corretivo

Para iluminar a pele, uniformizar a tez e disfarçar as manchas, deve-se aplicar em todo o rosto uma base líquida, cremosa ou firmadora adequada à tez.

Para escolher a cor da base, na hora de comprar, aplique uma pequena quantidade na região do queixo, aplique e escolha a cor que mais combina com o tom de pele. Se usado sob os olhos, o corretivo deve ser cerca de dois tons mais baixo do que o tom da pele e, se usado para cobrir manchas, o mesmo tom de pele deve ser usado. Existem outras cores corretivas, como verde para acne vermelha, amarelo para olheiras roxas ou lavanda e olheiras marrons.

A base poderá ser aplicada de forma uniforme com um pincel ou esponja, e sempre a seguir deve-se usar corretivo sob os olhos, formando sempre um triângulo do canto interno do olho até a região temporal do rosto, as asas do nariz e as pálpebras com o objetivo de melhorar a fixação da sombra. Além disso, você também pode optar por usar corretivo em manchas ou vermelhidão em seu rosto.

4. Passe a sombra

Ao aplicar a sombra, primeiro use um pincel para aplicar uma sombra clara em toda a pálpebra como cor de base e, em seguida, use uma cor um pouco mais escura para contornar os recessos e mova suavemente para a esquerda e para a direita ao redor da área sob os ossos.

Em seguida, você pode escolher uma cor mais escura para o canto externo do olho e uma cor mais clara para o canto interno do olho para abrir e iluminar a aparência. Por fim, você ainda pode usar cores muito claras e brilhantes, e até mesmo usar um iluminador sob a linha da sobrancelha para iluminar e iluminar os olhos.

5. Defina as sobrancelhas

Para definir as sobrancelhas, é indicado que deva primeiro pentear os cabelos na direção normal do crescimento, e somente depois preencher as lacunas com o lápis ou uma sombra da mesma tonalidade.

6. Aplique delineador e máscara para cílios

O delineador pode ser um gel, caneta ou lápis, se for um gel, deve-se usar um pincel chanfrado para aplicá-lo.

Se for difícil desenhar uma linha clara e limpa com um delineador, você pode usar sombra preta ou marrom escura e usar um pincel diagonal para desenhar a linha. Para isso, umedeça levemente a ponta do pincel, aplique a sombra e aplique nos olhos, como se fosse um delineador em gel. Desta forma, a sombra ficará mais compacta e os riscos terão um leve efeito esfumaçado.

Por fim, você deve aplicar um pouco de rímel nos cílios, da raiz às pontas.

7. Através de pó compacto colorido ou translúcido

Para completar toda a maquiagem, você deve usar um pincel grande e macio para aplicar pó translúcido ou colorido em todo o rosto. Este pó vai ajudar a lançar a base, dar luz e reduzir o brilho da pele.

8. Aplique bronzeador e blush

Finalmente, para completar todo o processo, você pode aplicar o pó bronzeador em um lado do rosto, queixo, pescoço e sob as têmporas, e blush nas maçãs do rosto. Para melhorar a sua aplicação, você deve sempre sorrir para o espelho, e assim olhar quais são as áreas das maçãs do rosto.

9. Aplique batom

A escolha do batom depende da maquiagem dos olhos, ou seja, se a maquiagem dos olhos for muito proeminente, então a cor do batom deve ser mais cautelosa. Se a maquiagem dos olhos for muito clara, pode-se exagerar na cor dos lábios. Use o delineador nos lábios sempre antes de aplicar um batom, ele ajuda a facilitar a aplicação e aumentará a durabilidade.

Melhore a segurança do seu galpão de bicicletas, seja qual for o seu orçamento

Não adianta gastar muito em uma bicicleta e depois armazená-la em algum lugar onde seja vulnerável.

Para aqueles de nós que não temos espaço para armazenar nosso orgulho e alegria dentro de casa, garagens e galpões são a segunda melhor opção, mas ainda podem ser vulneráveis ​​a invasões.

Se você deseja manter os ladrões afastados, temos algumas dicas úteis para tornar o armazenamento do seu galpão de bicicletas mais seguro.

Veja mais sobre seguro de bicicletas agora mesmo.

A primeira regra do clube de galpão

A primeira regra de armazenamento de bicicletas é simples: não deixe ninguém saber que você tem uma bicicleta. Uma garagem ou galpão de bicicletas nunca vai estar lá em cima com Fort Knox nas estacas de segurança, mas não precisa ser se você adotar a abordagem certa.

Se os vagabundos locais não sabem que você tem uma bicicleta valiosa em seu galpão, é improvável que eles se esforcem muito para arrombá-la, especialmente se você adotar medidas básicas de segurança suficientes para convencê-los a passar para um alvo mais fácil. É mais fácil falar do que fazer, mas existem algumas coisas simples a evitar.

Localização, localização, localização

O local onde você escolher guardar sua bicicleta dependerá de uma série de fatores, incluindo o valor da bicicleta ou bicicletas, seu orçamento e a quantidade de espaço disponível, mas o principal critério deve ser a localização.

Se você mora em uma área duvidosa, mesmo os tijolos e a argamassa podem não deter os criminosos. Do outro lado da cidade, um barracão de madeira com algumas medidas extras de segurança pode ser suficiente.

Existem cinco tipos principais de armazenamento a serem considerados:

  • Dentro da sua casa  – Isso vai depender da quantidade de espaço que você tem e dos níveis de tolerância de seu parceiro / cônjuge / colegas de apartamento. No geral, a segurança é alta, especialmente se você puder travar sua bicicleta em um objeto imóvel.
  • Garagem  – Perfeito. Você pode guardar sua bicicleta e trabalhar nela, sem se preocupar em sujar o carpete com manchas de óleo. A desvantagem? Nem todo mundo tem um ou espaço / dinheiro para um. A porta é geralmente o ponto fraco, mas você pode melhorar a segurança instalando um Defensor de Porta de Garagem. Internamente, você pode reforçar a segurança usando uma âncora de solo ou parede (veja abaixo) e uma corrente de motocicleta decente.
  • Galpão de tijolos / blocos – a próxima melhor opção, mas se você ainda não tiver um, eles não são baratos e podem precisar de permissão de planejamento. Veja abaixo algumas dicas sobre como torná-lo mais seguro.
  • Galpão plano – são relativamente baratos, fáceis de colocar e esconderão sua (s) bicicleta (s), mas estão longe de ser seguros. Para os fins deste artigo, vamos nos concentrar nesse tipo de armazenamento porque é uma escolha comum e existem alguns cuidados simples que você pode tomar para tornar seu galpão muito menos atraente para ladrões.
  • Abrigo independente para bicicletas  – se você tiver pouco espaço e precisar de um lugar seco para guardar sua bicicleta, essa é uma opção. Em muitos casos, eles não são mais seguros do que um galpão (ou consideravelmente menos) e não oferecem espaço para trabalhar em sua bicicleta, mas existem opções muito mais robustas por aí.

5 dicas importantes para segurança de bicicletários

Se você decidiu pela opção de abrigo de madeira ou apenas deseja algumas idéias sobre como tornar outras formas de armazenamento mais seguras, aqui estão algumas dicas úteis:

1. Seja realista

Um galpão nunca resistirá a um ataque sério de ladrões. Os infratores são conhecidos por forçar a abertura de um painel lateral inteiro ou telhado para entrar.

O truque é colocá-lo em uma área onde seja difícil para os ladrões operarem, evitar chamar a atenção para ele e instalar o máximo possível de medidas de segurança para proteger sua (s) preciosa (s) bicicleta (s).

Quanto mais você pode fazer um ladrão trabalhar, e quanto mais tempo leva para quebrar suas defesas, é mais provável que perca a oportunidade ou desista e siga em frente para um alvo mais fácil.

2. Escolha o local do seu galpão com cuidado

O local ideal para o seu galpão é um local de difícil acesso para os ladrões, mas não tão escondido que os criminosos possam operar sem medo de serem vistos.

Neste caso, o galpão abaixo foi construído em um quintal / calçada acessado por uma estrada particular. O galpão não pode ser visto da estrada principal e como a estrada de acesso só é usada por um punhado de famílias, quaisquer estranhos na área irão imediatamente levantar suspeitas.

Os vizinhos são amigáveis ​​e vários ficam por perto durante o dia. O galpão pode ser visto de várias casas ao redor e está ao alcance de uma luz de segurança equipada com um sensor de movimento. Quando um carro está estacionado na garagem ao lado do galpão, a porta não pode ser aberta, proporcionando segurança extra.

3. Tome cuidado ao escolher o tipo de galpão

Existem três tipos principais de galpão: madeira (barato e combina bem, mas propenso a apodrecer e menos seguro), metal (forte, durável e retardador de fogo, mas sujeito a ferrugem, e as paredes são muito finas em modelos baratos) e plástico (baixo manutenção, mas sujeito a condensação). Geralmente, quanto mais você paga, mais grossas serão as paredes e mais seguro será o galpão.

4. Pense sobre o design da estrutura

Se o galpão for usado apenas para armazenamento, e não como oficina, considere comprar um sem janelas, porque esses são um ponto fraco óbvio. A porta deve ser bem visível, seja de sua casa ou propriedades vizinhas. As portas duplas permitirão que você coloque e saia bicicletas com mais facilidade.

5. Resolva os pontos fracos do galpão

Neste caso, as dobradiças da porta são fixadas por pequenos parafusos, a fechadura fornecida com o alpendre é extremamente básica e as janelas permitem que o conteúdo fique à vista. Dentro, não há nada para bloquear seu (s) bem (s) valioso (s).

O que é um sistema fotovoltaico?

O sistema fotovoltaico também é conhecido como sistema fotovoltaico solar. É um sistema energético que tem como objetivo captar a energia solar e transformá-la em eletricidade por meio da energia fotovoltaica, também conhecida como painéis solares.

É um sistema incrivelmente seguro de usar, bem como de baixa manutenção – o que é ótimo se você quer algo fácil de cuidar e que não custará uma fortuna em reparos. Além disso, é incrivelmente confiável e fornece energia verde sem qualquer tipo de poluição ou emissões. Portanto, ao instalar e usar um sistema fotovoltaico, você está contribuindo para um meio ambiente melhor e criando uma casa sustentável.

O sistema solar fotovoltaico se enquadra em duas categorias principais – sistema conectado à rede e sistema fora da rede. O primeiro permite que você envie o excesso de energia produzida por seus painéis solares de volta para a Rede Nacional, onde pode ser usada para fornecer energia às residências de terceiros.

Claro, esse excesso de energia não é dado apenas a eles; você vende para eles em vez disso. Os sistemas fora da rede são apenas para uso pessoal e não podem enviar o excesso de energia. De modo geral, eles são instalados apenas em locais remotos onde não há acesso à rede.

Saiba mais sobre energia fotovoltaica.

Como funciona o sistema fotovoltaico?

O sistema fotovoltaico é capaz de produzir energia em seus níveis mais eficientes quando todos os elementos individuais estão funcionando juntos. Dê uma olhada neste vídeo que explica o processo em cada uma de suas etapas.

As vantagens de um sistema fotovoltaico

O sistema fotovoltaico é incrivelmente eficiente e instalá-los significa que você pode se beneficiar com o seguinte:

A energia solar produzida por este sistema é incrivelmente sustentável. Isso ocorre porque o sol é um recurso renovável (e um dos melhores que o planeta possui). Isso significa que não pode haver consumo excessivo da fonte de energia porque ela é abundante e ocorre naturalmente.

A energia solar pode ser produzida em qualquer lugar do mundo, independentemente das condições climáticas. Embora seja verdade que os países mais próximos do equador têm o maior potencial em termos de produção de energia solar, ela não está apenas à sua disposição. Mesmo se os dias estiverem nublados, a energia solar ainda será produzida. É um recurso valioso.

A energia solar também é gratuita. Embora os custos de instalação possam ser um pouco mais altos do que o sistema de energia médio, você não é cobrado por nenhuma energia produzida por seus painéis solares fotovoltaicos. É um recurso de eletricidade gratuito que pode abastecer sua casa com eficiência.

A partir deste ponto, quando você usar a energia solar, suas contas serão reduzidas no longo prazo. Na verdade, você pode até mesmo gerar mais receita vendendo o excesso de energia de volta à Rede Nacional ou ao seu fornecedor de energia. Em média, as pessoas no Reino Unido economizam mais de £ 350 por ano usando energia solar.

Quando tem uma instalação fotovoltaica instalada em sua casa, também aumenta a sua independência de fontes de energia não renováveis, bem como o valor da sua casa. Poder contar com fontes de energia renováveis ​​pode ser uma experiência muito libertadora e excelente para o meio ambiente.

Quanto mais casas usarem energia solar, melhor. Não só terá um impacto incrivelmente positivo no meio ambiente, mas também criará mais empregos na indústria de energia renovável. Portanto, você não está apenas contribuindo para um planeta mais saudável, mas também para um mercado de trabalho mais amplo.

Não é apenas eletricidade que pode ser produzida usando a energia solar. Também pode ser usado para aquecer água ou abastecer o sistema de aquecimento da sua casa ou local de trabalho. Portanto, se você está procurando outras maneiras de se tornar ecológico, é bom dar uma olhada na energia solar térmica e no aquecimento solar de água. Dessa forma, toda a sua casa pode ter energia solar.

Componentes do sistema fotovoltaico

O sistema fotovoltaico é composto por um grande número de peças que permitem seu funcionamento eficiente e correto. Para operar e gerar eletricidade, uma série de recursos devem ser configurados. Portanto, um sistema fotovoltaico solar consiste no seguinte:

  • Estruturas de montagem
  • Módulos fotovoltaicos
  • Inverter
  • Módulo de armazenamento (baterias)
  • Maximize sua produção de energia

As células fotovoltaicas devem ser montadas em uma estrutura estável que seja capaz de suportar toda a estrutura (ou painel solar), bem como resistir a múltiplas condições climáticas. Mesmo com ventos fortes, chuva forte e neve, ele deve funcionar normalmente.

Deve ser capaz de resistir a essas condições climáticas e evitar a corrosão não apenas durante o ano, mas também ao longo de décadas. As estruturas de montagem são projetadas de forma que possam inclinar e ajustar o painel solar em um ângulo fixo que foi determinado pela latitude local, a orientação da estrutura e os requisitos elétricos.

Para obter a melhor produção anual de energia possível, o posicionamento dos módulos é absolutamente fundamental. Os módulos localizados nos países do norte estão voltados para o sul e inclinados em um ângulo igual à latitude local. O método de montagem em rack é o mais comumente usado devido ao fato de ser versátil, durável e fácil de construir e instalar.

Você também pode ter painéis fotovoltaicos solares montados no solo. Eles são instalados com mecanismos de rastreamento que foram desenvolvidos para mover os painéis solares de forma que eles sigam o sol automaticamente conforme ele se move no céu. Dessa forma, eles são capazes de fornecer mais energia. Os rastreadores mais comuns são de um eixo e dois eixos.

Os rastreadores de um eixo são projetados para seguir o sol de leste a oeste conforme ele nasce e se põe. No entanto, os rastreadores de dois eixos permitem que as células PV permaneçam apontadas diretamente para o sol ao longo do dia. É um sistema mais avançado que gera mais energia. Obviamente, quanto mais avançado for o sistema, maior será o preço de instalação e manutenção.

Existem diferenças entre Sustentabilidade e Sustentavel?

São sustentabilidade e sustentavel sinônimo? Existem diferenças notáveis ​​entre os dois termos? O Dicionário da Real Academia Espanhola da língua estabelece que as duas palavras têm o mesmo significado em termos de seu segundo significado. No entanto, vale a pena examinar as razões pelas quais existem discrepâncias a esse respeito no campo do ecodesenvolvimento.

Sustentabilidade e sustentavel: um problema de origem

O uso da frase “desenvolvimento sustentável” tornou-se popular no final dos anos 1980, especificamente após a publicação do “Relatório sobre Nosso Futuro Comum” (1987-1988) liderado pela ministra norueguesa Gro Harlem Brundtland sob os auspícios das Nações Unidas.

Já no referido documento, o desenvolvimento sustentável era entendido como aquele que não comprometesse a satisfação das necessidades futuras atendendo às presentes. A preocupação com a sustentabilidade do modelo econômico vigente revelou a suspeita de que ele seria, portanto, insustentável ao longo do tempo.

Essa desconfiança, que para muitos é certa, não levou, porém, a que o modelo fosse efetivamente convertido em outro. E a razão, segundo José Manuel Naredo e o seu artigo “Sobre a origem, uso e conteúdo do termo sustentável”, deve-se precisamente à ambiguidade do termo sustentabilidade .

Quando se fala em desenvolvimento sustentável, afirma-se um desejo geral, mas não se expressa seu conteúdo, muito menos a forma específica de colocá-lo em prática. Resta saber, entretanto, se a diferença entre sustentabilidade e sustentabilidade serviria a esse propósito.

Veja também – licenciamento ambiental – Tudo que você precisa saber

Termos de pré-sustentabilidade que não prosperaram

Sustentabilidade e sustentabilidade são termos relativamente modernos, mas as preocupações que os preocupam vêm dos tempos antigos.

Já no século 18, aqueles conhecidos hoje como fisiocratas franceses falavam de ” riquezas nascentes ” e da ideia de não prejudicar os “resultados financeiros “. O primeiro se referiria ao crescimento econômico e o segundo, aos recursos naturais e sua exploração.

A década de 1960 do século passado preocupou-se com a conservação , um termo fadado ao fracasso. Afinal, o crescimento econômico e o desenvolvimento, e seus teóricos, não podiam aceitar que a economia andasse a meio gás, oprimida pela necessidade de “conservar”.

A década de 70, também século XX, surgiu com o termo ecodesenvolvimento, igualmente malsucedido devido ao seu aparente antagonismo com o desenvolvimento industrial. Ecologia, ambientalismo e indústria nunca andaram de mãos dadas.

Então, qual é a diferença entre sustentabilidade e qualquer um dos termos mencionados? Mais uma vez, segundo José Manuel Naredo, a sua ambiguidade.

Desenvolvimento sustentável. A diferença entre sustentabilidade e sustentabilidade

O Dr. Vincent Clement fala em seu artigo “A odisséia de um conceito nômade, o desenvolvimento sustentável na órbita da geografia” do desenvolvimento sustentável e insustentável. Curiosamente, o surgimento do termo remonta ao mesmo ano de 1987-1988 e ao mesmo tempo: a publicação do Relatório sobre Nosso Futuro Comum.

Por que Clemente usa sustentabilidade e não sustentabilidade se se refere ao mesmo conceito de desenvolvimento sustentável? Como o artigo chega às mesmas conclusões do de Naredo, pode-se deduzir que não há diferenças entre sustentabilidade e sustentabilidade .

Algumas diferenças de nuance sobre a definição do RAE

Como dissemos no início do artigo, a RAE estabelece que sustentável é sinônimo de sustentável no que se refere ao seu segundo significado. No entanto, há uma diferença em relação ao primeiro significado.

Sustentável

  1. adj. Isso pode ser sustentado. Opinião, situação sustentável.
  2. adj. Principalmente em ecologia e economia, que podem ser mantidas por muito tempo sem esgotar recursos ou causar sérios danos ao meio ambiente. Desenvolvimento, economia sustentável.

Sustentável

  1. adj. Isso pode ser apoiado ou defendido com razões.
  2. adj. sustentável (‖ que pode ser mantido sem esgotar os recursos).

Como pode ser visto, o adjetivo sustentável tem mais a ver com a possibilidade de se defender algo com argumentos ou raciocínios; enquanto sustentável pode ser uma situação e uma opinião.

A nuance é muito tênue , mas a partir daqui você pode construir uma diferença entre sustentabilidade e sustentabilidade que nos ajuda a definir a estrutura de uso de ambos os termos.

Nesse sentido, podemos usar “Sustentável” para discussões e debates que abordem o ecodesenvolvimento em um nível teórico. Lembremos que o desenvolvimento sustentável é uma disciplina que envolve campos do conhecimento muito diversos: filosofia, engenharia, sociologia, arquitetura, ciência, ativismo, política ou indústria, entre outros. Profissionais e representantes de cada uma dessas especialidades definem, ampliam e atuam o desenvolvimento sustentável a partir de suas respectivas perspectivas, perspectivas e com ferramentas próprias.

A linguagem da sociologia e da filosofia está mais próxima do termo sustentabilidade, enquanto a da indústria, do ativismo ou da política está mais próxima do termo sustentabilidade.

Em todo caso, é bom mostrar que sustentabilidade e sustentabilidade não são palavras atribuídas a profissões ou áreas do conhecimento abstratas, mas a realidades atuais . Portanto, usar um ou outro terá consequências diferentes.

Então, há uma diferença real entre os dois termos? conclusão

A conclusão a que podemos chegar sobre se sustentabilidade e sustentabilidade são palavras que refletem a mesma realidade é que a diferença entre as duas é muito sutil . Tanto é verdade que mesmo os especialistas os usam de forma intercambiável.

Em alguns contextos, o termo sustentabilidade tem sido denunciado por ter se popularizado demais (os dois artigos citados comprovam esse fato), mas a realidade nos mostra que a maioria da população identifica sustentabilidade com desenvolvimento sustentável e com o objetivo de manter o crescimento. social que satisfaça as necessidades presentes sem comprometer as futuras.

O que é preciso ter em mente é que desenvolvimento sustentável ou sustentabilidade não é sinônimo de ambientalismo ou conservação da natureza ou respeito ao meio ambiente, mas vai além e abrange uma realidade mais ampla.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Usos fascinantes para diamantes além da fabricação de jóias

Por muitos anos, os diamantes são conhecidos por alegrar a vida de muitos, devido à sua capacidade de se transformar em belas criações de joias. De um anel de noivado único a um lindo par de brincos, simplesmente não há limite para a beleza da magnífica pedra preciosa. Mas, você sabia que, devido à força e às propriedades únicas de um diamante, existem vários outros usos fascinantes para um diamante que vai além de seu simbolismo de amor e compromisso? Aqui estão algumas maneiras criativas e inovadoras de usar um diamante que vai além da indústria de fabricação de joias:

Diamantes da indústria de saúde

As habilidades de um diamante vão além de sua beleza. De acordo com um estudo recente do South Wales College, os nanodiamantes da Cardiff University trazem uma série de benefícios à saúde. As minúsculas partículas de diamante, mil vezes menores que um fio de cabelo humano, são usadas para ajudar no tratamento do câncer. Mas como exatamente um pequeno diamante ajuda no tratamento do câncer?

Ao anexar nanodiamantes a drogas quimioterápicas, o tratamento se tornará mais eficaz. Depois que a droga anticâncer é liberada no corpo humano, as células cancerosas os bombeiam antes que tenham tempo de fazer o trabalho. Os nanodiamantes, no entanto, têm a capacidade de superar esse problema, pois a célula cancerosa que normalmente bombeia o tratamento não pode carregar as partículas de diamante estendidas. O tratamento, portanto, fica dentro do corpo.

Os outros benefícios dos nanodiamantes são que eles são compatíveis com células humanas e podem refletir a luz. Os cientistas usam a propriedade reflexiva do nanodiamante para monitorar a progressão das células depois que o paciente recebeu o tratamento. Devido à notável relação que os diamantes têm com a luz , os pesquisadores médicos também consideraram o uso de diamantes para cegos; os pesquisadores estão testando diamantes em implantes oculares, bem como em olhos biônicos.

Confira também sobre Minério de ferro a seguir.

Diamantes assistentes em cavidades

É irreal imaginar que uma ida ao dentista pode ser tão glamorosa. Mas, você sabia que a maioria dos dentistas usa ferramentas com pontas de diamante para perfurar e polir suas cáries? Minúsculas partículas de diamante são colocadas nas pontas das ferramentas para torná-las mais abrasivas.

Diamantes como produtos de beleza

Não é nenhuma surpresa quando se trata de celebridades, as ricas e famosas, que elas usam apenas os melhores produtos de beleza disponíveis, ou seja, produtos de beleza com diamantes. Por exemplo, o spray salpicado de diamantes se tornou extremamente popular depois que Kim Kardashian anunciou que ela havia feito o tratamento antes de seu casamento com Kanye West. Em 2011, Mila Kunis ganhou as manchetes depois de ter um rosto de rubi e diamante de R93.000 antes de uma premiação. Jennifer Lopez também revelou que trata sua celulite com um esfoliante de pó de diamante.

Mas, embora um tratamento ou produto de beleza com diamantes pareça um luxo, não está disponível apenas para celebridades. Muitas empresas de beleza anunciaram que oferecem notáveis ​​produtos de diamantes que atuam como esfoliantes e também como agentes de embaçamento das rugas.

Diamantes como uma aplicação industrial

Um dos usos mais comuns do diamante, além de ser usado na joalheria, é o uso na indústria industrial. Devido à notável resistência do diamante, eles se tornaram extremamente eficazes como ferramentas de corte, polimento e perfuração. O uso de diamantes como ferramenta é especialmente popular na indústria de mineração e também nas forças armadas. Minúsculas partículas de diamante também são utilizadas no óleo do equipamento para tornar as brocas e serras mais potentes no corte de um determinado material. Os diamantes, é claro, também são usados ​​para cortar e polir outros diamantes quando se trata de fazer joias.

Diamantes são usados para substituir o silício em computadores

Um diamante é realmente notável. Devido à sua resistência ao calor, um diamante pode se tornar cinco vezes mais quente e resfriar mais facilmente do que o silício, sem afetar o desempenho. Um diamante também pode tolerar tensões mais altas. Portanto, pesquisas mais recentes mostraram que semicondutores que contêm diamantes tornam a corrente elétrica em dispositivos de computador muito mais efetiva, mais leve, mais rápida e simples.

O uso de diamantes em auto-falantes

Os diamantes têm a capacidade de vibrar rapidamente sem sofrer qualquer deformação e sem afetar ou danificar a qualidade do som. O motivo? Os diamantes são fortes o suficiente para vibrar em uma velocidade muito alta. Portanto, os audiófilos acreditam que os diamantes são o melhor material para usar se você está procurando a melhor qualidade de som. Além disso, os diamantes também são usados ​​na agulha de toca-discos e em equipamentos de DJ.
Mais uma vez, um diamante continua mostrando seu valor. Não só é possível desfrutar da notável gema como um item de joalheria, mas com esses usos inovadores os diamantes têm a oportunidade de mudar o mundo que nos rodeia, como o conhecemos.

8 Dicas básicas para Começar a Praticar Mountain Bike

Ninguém nasce culto. Mesmo os ciclistas de estrada mais experientes que começam a praticar mountain bike cometem erros de iniciante. Com este guia básico, você se divertirá com o BTT desde a primeira vez que o embarcar, porque se algo caracteriza o mountain bike é como ele é divertido, daí o nosso primeiro conselho.

8 Dicas básicas para Começar a Praticar Mountain Bike

Saia e se divirta

O mountain bike é pura adrenalina e diversão em contato com a natureza, então esqueça os desafios e os treinos para começar. A primeira coisa que você precisa ter gravado na mente é sair pedalando para desfrutar . Você terá tempo para se apertar e sofrer nas rodas gordas, mas se o primeiro dia não terminar com um sorriso de orelha a orelha, será difícil voltar para a bicicleta.

Escolha a bicicleta certa

Para não desanimar, é importante escolher uma BTT que se adapte a si e às suas necessidades . resumindo

  • Escolha o tamanho correto . Fica aqui um guia, mas é melhor ser avisado na loja onde comprar a bicicleta tanto pelo tamanho como por ajustar a bicicleta às suas medidas.
  • Descarte as bicicletas de montanha para enduro ou downhill . Para um iniciante, são modalidades muito “radicais”. Uma bicicleta cross country (hardtail ou dupla) é perfeita para começar. Também um down country (um double cross country com um pouco mais de amortecimento) é outro tipo de BTT recomendado porque se adapta muito bem a diferentes terrenos.
  • Esqueça as bicicletas de 26 “e 27,5” (você encontrará ótimas pechinchas no mercado de segunda mão justamente porque custam muito para vender). O tamanho da roda de 29 ”é o padrão hoje . Se você é uma pessoa muito pequena, então um 27,5 “pode ​​ser bom para você.
  • Suspensão dianteira sim ou sim. 100 mm no mínimo . Se você quer mais conforto ou mora em uma área com terreno muito acidentado, considere uma bicicleta com suspensão total, mas elas são mais caras e pesadas.
  • Alumínio ou carbono? Para um começo melhor, um MTB de alumínio com bons componentes do que um carbono com uma montagem pior.
  • Pedais de plataforma ou clipless? . Se você vem da bicicleta de estrada, não há dúvida: Automático. Plataforma só se nunca pedalou e vai circular por caminhos ou pistas sem muita dificuldade. De resto, é sempre melhor ser automático e praticar o envolvimento e o desengajamento. O que nos leva à próxima dica.

Não esqueça também de contratar um seguro para bicicletas para ter uma experiência incrível com mountain bike.

Conheça sua mountain bike

Você já tem sua nova aquisição, mas antes de pular para a montanha deve se acostumar com o funcionamento não só dos pedais automáticos, mas também das marchas , freios, amortecimento e outros componentes. Teste como tudo funciona em terreno plano e silencioso antes de sair da estrada.

Então, lembre-se de que a bicicleta se comporta e responde de forma diferente dependendo do terreno e das condições (seca com uma superfície estável, seca com cascalho ou areia solta, molhada, molhada com lama …). Cada situação possui múltiplas variáveis ​​às quais você deve adicionar se você está subindo, descendo, planando ou arredondando uma curva. Tudo influencia porque …

Seja prudente e realista

Especialmente nas primeiras vezes que você sobe em sua nova montaria. O excesso de confiança é um dos grandes erros dos ciclistas , qualquer que seja sua experiência. Não tente ir muito rápido, muito longe, muito cedo.

Para quem vem de rodas finas, deve-se dizer que mountain bike não é a mesma coisa que ciclismo de estrada . Você pode ter a forma e a força, mas não a técnica, então tome cuidado.

Não confie nos conselhos de outros motociclistas porque certamente o que é “fácil” ou “normal” para eles é um desafio muito grande para você no momento. Não tente imitar ou seguir seus amigos se eles já tiverem mais experiência do que você .

Saia com um grupo adequado 

Se puder, encontre uma gangue de amigos para pedalar . Que sejam poucos (5-6 no máximo), mais ou menos o seu nível e que tenham uma “vibração boa”. Que a ideia de curtir e se divertir é preponderante.

Evite sair com “profissionais” ou ciclistas experientes porque ninguém vai se divertir. Você sempre vão bem acima de suas limitações e ell @ s muito abaixo.

Se você não tem escolha a não ser sair sozinho. Avise os seus entes queridos, planeie ou conheça o percurso e possivelmente se trata de uma zona frequentada por ciclistas / caminhantes caso tenha algum problema.

Prepare a partida

Especialmente se você estiver indo para longe de casa ou se afastando da “civilização” durante grande parte do itinerário. Você deve planejar a rota para conhecer o terreno e o clima, e também deve estar devidamente equipado .

Em uma bicicleta, um capacete é essencial . Para a montanha existem capacetes específicos com um pouco mais de proteção e com viseira. Luvas também são essenciais , para segurança e conforto. Com óculos, calções e uma camisola já terá o equipamento básico em termos de roupa e acessórios para enfrentar saídas de mais de 2 horas sem problemas. Se você também vai sair no frio ou na chuva, deverá procurar roupas de inverno e capa de chuva e acessórios resistentes à água.

Com o percurso e as roupas prontas, basta levar o celular carregado, algum dinheiro, água e comida (vale mais do que sobrar) e equipar a bicicleta com o kit de ferramentas   (bóia do tamanho da roda, bomba, remendos , removível, multi-ferramentas com cortador de corrente e elo rápido), que você pode colocar em uma bolsa de sela ou uma garrafa de ferramentas, ou também em uma mochila de hidratação junto com o resto dos elementos descritos neste parágrafo

Tenha a bicicleta pronta

Todo o planejamento pode ser arruinado se você esqueceu, ou perdeu, a manutenção da bicicleta . No mountain bike, o desgaste da bicicleta e dos componentes é muito maior do que no ciclismo de estrada.

Além de limpá-la para que não acumule poeira, lama e sujeira, devemos também conferir toda a mountain bike com antecedência para que quando formos pegá-la não tenhamos que dar meia volta porque encontramos um pneu furado, uma mudança que não muda, um freio que não freia ou uma transmissão que só transmite ruído.

A manutenção regular, visitando a garagem em seu bairro ou aquele em que você confia, irá lhe poupar problemas e dinheiro . Você também pode aproveitar a oportunidade para pedir conselhos, fazer perguntas ou saber mais sobre passeios em grupo.

Saia da zona de conforto

Na quarta dica falamos que você deve ser prudente e realista, mas não exagere, isso é mountain bike. Parte da diversão que rodeia esta modalidade é sujar-se, ouvir a patinagem da roda, acelerar a travagem, sofrer uma queda por ultrapassar um pouco os nossos limites, aterrar numa subida com um desnível brutal, em apertar o freia um pouco menos na descida … busque todas as semanas algo que represente um pequeno desafio para melhorar suas habilidades e força, mas sempre com proteção, prudência e realismo.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Como funciona um porto?

Os portos são um dos pontos logísticos mais importantes dos países costeiros. Não temos conhecimento da quantidade de mercadorias que circulam por via marítima , mas segundo a Organização Mundial do Comércio , 80% é feito por este meio, para que possamos ter uma ideia da importância dos portos neste processo.

Normalmente, é feita uma distinção entre alto mar e portos costeiros . Os primeiros são os responsáveis pelo tráfego internacional , enquanto a cabotagem trata dos movimentos entre os portos nacionais .

Existem mais de 6.000 portos no mundo, mas apenas algumas centenas concentram o tráfego marítimo mundial. A atividade diária desses portos é agitada. Como funcionam e são organizados internamente para que tudo funcione perfeitamente?

Como funciona um porto? Veja a seguir.

Portos e Terminais Portuários

Não devemos confundir os portos com os terminais que os compõem. Para nos entendermos, o porto é o espaço, natural ou artificial, de águas calmas e abrigadas, destinado a acomodar embarcações que transportam mercadorias e pessoas. Os terminais são as instalações que , dentro do porto, facilitam o trânsito dessas mercadorias e pessoas do navio para outros meios de transporte –e vice-versa–.

Dentro do terminal existem diferentes tipos de infraestruturas ; Os marítimos são aqueles que permitem a atracação e amarração de navios ( cabeços , guarda- lamas , sistemas de assistência à docagem , ganchos de escape …). As infraestruturas terrestres permitem a carga e descarga de mercadorias ou pessoas (com a utilização de gruas, passadiços, dedos …) e a sua arrumação.

Além disso, os terminais possuem sistemas de transporte interno que conectam as mercadorias com meios de transporte externos (seja rodoviário ou ferroviário).

Segurança Portuária

Muitos portos são responsáveis ​​pelo embarque e desembarque de substâncias inflamáveis, gases sob pressão, combustíveis, produtos tóxicos … Ou seja, o que é conhecido como mercadoria perigosa ; Isso obriga os portos a adotar e desenvolver medidas de proteção para minimizar os riscos à segurança de pessoas e instalações, em todas as tarefas de carga, descarga e manuseio dessas mercadorias. Além disso, existem outras medidas contra atos terroristas e catástrofes ecológicas que os portos devem cumprir.

Os portos devem observar não só as normas locais de segurança, mas também as internacionais, principalmente no caso de navios que façam escala em vários países. Por exemplo, desde 2004 todos os portos devem cumprir o Código para a Proteção de Navios e Instalações Portuárias (também conhecido como Código ISPS ) para certificar que possuem medidas de segurança e antiterroristas. É mesmo necessário cumprir as leis de outros países para poder negociar com eles: o Secretário de Transportes dos Estados Unidos tem o poder de inspecionar portos estrangeiros e determinar se são seguros ou não; caso contrário, nenhum navio que toque nesses portos poderá entrar nas águas dos Estados Unidos .

Os portos mais movimentados são quase pequenas cidades nas quais tudo deve ser coordenado para funcionar perfeitamente. Desta forma, todas as matérias-primas e bens de consumo chegam até nós todos os dias de quase todos os cantos do mundo.

Advogado de família: como acertar e escolher o certo?

Escolher um advogado de família pode ser uma decisão muito difícil. No entanto, poucas decisões são tão importantes para ajustar como esta. O advogado certo pode fazer uma diferença real no resultado do seu divórcio – por exemplo – e na maneira como você conduz o processo emocionalmente. Quando se trata de aconselhá-lo sobre como escolher o seu advogado familiar certo, partimos destes conceitos:

  • Você precisa de um relacionamento de confiança.
  • Você quer um advogado que leve seu caso a sério e ouça suas necessidades.
  • Você está procurando um advogado para levar seu caso a uma conclusão.

Dicas para escolher o advogado de família certo.

Escolhendo Advogado de família

O advogado de sua família é quem o ajudará em casos como: divórcio, problemas de guarda e manutenção, adoção ou qualquer outro problema de direito da família. Escolher o advogado de direito da família certo pode ser um alívio e produzir melhores resultados. Seu advogado se torna seu parceiro no processo e ajuda você a alcançar o resultado desejado nos limites da lei. Confira estas dicas:

Encontre um advogado com quem possa trabalhar

Você pode precisar confidenciar informações confidenciais ou íntimas ao seu advogado, coisas que você prefere não contar a ninguém. Você falará com esse advogado com frequência e deverá ser capaz de fornecer informações e entender suas explicações sobre certas etapas ou como a lei se aplica à sua situação. Consequentemente, pergunte a si mesmo: O advogado tem experiência em casos como o meu? Explicar as coisas de uma forma que eu entenda? Você responde minhas perguntas? Posso confiar nessa pessoa?

Tem um diálogo inicial clarificador.

Ao sondar o advogado em uma primeira conversa, seja direto e franco em suas negociações. Declare seus objetivos e seu orçamento. Pergunte e estabeleça com que frequência você falará. Também é importante falar sobre dinheiro, para você poder obter os resultados de que precisa sem sobrecarregar seus recursos.

Peça conselhos, mas tome sua própria decisão.

Sempre haverá um cunhado que recomendará seu advogado. Ouça, mas tome sua própria decisão. Avalie como é seu relacionamento pessoal com seu advogado. É importante se dar bem. Cada família e cada caso de direito da família são únicos, portanto, o seu instinto e avaliação pessoal – você conhece a sua situação – é mais importante do que as avaliações que cada advogado pode lhe dar. Ouça, mas você decide.

Escolha um advogado, não um escritório de advocacia.

Não se maravilhe com escritórios grandes ou bombásticos. Não são as diretorias ou uma equipe de 100 associados que cuidarão do seu caso, mas um advogado – uma única pessoa. Por falar nisso, você não se importa se ele tem seu próprio pequeno escritório ou mais noventa colegas. Você só está interessado no advogado que está no seu caso. O cargo de alguém famoso não tem utilidade para você, se então delegar seu caso a pessoas sobre as quais nada sabe.

Veja também – Como funciona um escritório de advocacia?

Eu gosto desse advogado?

É importante se dar bem com seu advogado. Se ele for agressivo, distraído, desorganizado ou agir de alguma outra forma que não lhe dê confiança, imagine como você se sentirá mais tarde se optar por ele.

Conhecimento e experiência.

É comum que muitos advogados lidem com todos os tipos de casos: de divórcio e tráfico a negligência médica. No entanto, cada vez mais clientes procuram advogados que limitem a sua prática a áreas específicas, incluindo direito da família. Você não iria a um médico de família para fazer uma cirurgia de coração aberto e deveria hesitar muito em procurar um advogado que não limite sua prática a questões de direito da família se você precisar se divorciar.

Taxas: Não dê ao seu advogado um cheque em branco.

Você deve ter uma ideia do custo do seu caso. Se não for fechado, sim muito aproximado e conhecendo os possíveis canais de aumento de preços para decidir um a um. Pergunte se há uma taxa fixa para o seu caso. A menos que um advogado possa lhe oferecer uma opção de taxa fixa, você não tem como saber quanto custará a representação legal.

Diferenças entre uma empresa de construção de obras públicas, obras privadas e obras civis

Quando falamos em construção civil, referimo-nos a uma vasta gama de serviços, com uma grande variedade de opções para o desenvolvimento de obras públicas, privadas e civis, pelo que conhecer as diferenças nos ajudará a escolher melhor a construtora que será. encarregados de levar a cabo cada um dos nossos projetos.

A cada ano a indústria da construção tem grande sucesso a nível nacional, já que contribui com uma parcela considerável do Produto Interno Bruto (PIB) do país, sendo uma das chaves para o crescimento econômico do México; Por outro lado, as construtoras existentes em todo o território nacional são uma fonte de emprego, melhorando a qualidade de vida das famílias mexicanas, permitindo-lhes obter um trabalho digno que as ajude a prosperar economicamente e se desenvolver profissionalmente.

Além disso, as construtoras são de grande importância, pois independentemente das turbulências que existem a nível internacional em questões económicas ou sociais, os seus serviços continuam a ser necessários para o desenvolvimento de complexos imobiliários, ou seja, quartos-casas, para estradas, lojas, novas estradas, programas de pavimentação, desenvolvimento de negócios e muito mais.

Por isso, a construção civil é a que mais se destaca, pois proporciona os resultados que se buscam para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, pois é por meio de diferentes obras que é possível melhorar os processos de vida de uma pessoa. sociedade. Da mesma forma, a indústria da construção se destaca por conter termos que são usados ​​cotidianamente por pessoas em linguagem coloquial, mas que, apesar disso, são mal utilizados; tal caso ocorre com termos como “obras públicas”, “obras particulares” e “obras civis”

Veja também: Descubra mais sobre construção civil agora mesmo.

Obra pública

Obras públicas são aquelas que o governo de cada estado, cidade ou município é responsável por desenvolver, portanto, seu principal objetivo é ser capaz de gerar uma melhoria na qualidade de vida e funcionamento da sociedade.

É por isso que as obras públicas são aquelas que se destacam por serem financiadas com recursos públicos gerados pelos impostos do cidadão em geral, portanto, não visam lucro, pois se concentram na prestação de serviços de utilidade à nação.

Exemplos de obras públicas são a construção de estradas, estradas aeroportuárias, barragens, estradas, etc., mas também a pavimentação e restauração de ruas deterioradas; Nesse tipo de obra costumam ser necessárias grandes empresas, que costumam ter convênios com governos para a realização de diversos projetos, e os cidadãos não podem buscar empregos por conta própria, por exemplo, pavimentação de rua ou bairro, mas é recomendam que solicitem o apoio do governo de sua localidade para serem admitidos nas obras das rodovias.

Obra civil

Dentro das obras civis encontramos aquelas que estão ligadas ao desenvolvimento da infraestrutura necessária para a população; Tal como as obras públicas, este tipo de obras contribui para a organização do território e a sua utilização, por exemplo aeroportos, portos comerciais, praças ou centros comerciais, loteamentos residenciais ou complexos imobiliários, armazéns industriais, entre outros.

As obras civis dependem dos cidadãos, pelo que a sua utilização não é restrita ou limitada e estes podem realizá-la quando necessário, sendo recomendado procurar apoio técnico de um grupo de especialistas como arquitectos, engenheiros civis e especialistas em construção; Além disso, são necessárias licenças para a execução dos projetos a serem executados.

Obra privada

Dentro deste tipo de obras encontramos uma grande variedade de serviços e opções, que são realizados e solicitados por uma pessoa, associação ou organização não governamental, portanto, beneficiam os proprietários e não estão abertos ao público em geral.

Alguns exemplos são os pedágios, as estradas nas fábricas da empresa, a construção de casas, etc.

Nas obras de obra pública e de obra civil existe uma linha muito ténue, visto que em muitos casos têm os mesmos objetivos e características das licenças de exploração; Na verdade, todas as obras públicas são sempre civis, no entanto, as obras civis nem sempre são públicas, uma vez que existem empresas privadas que realizam este tipo de obras que têm como objetivo trazer um benefício para o grande público, ou para determinados setores da público, a sociedade em particular, como parques, estradas, avenidas, entre tantas outras construções que são feitas com investimento privado e que trazem um benefício social, ou que permitem a utilização de espaços por muitas pessoas.

Seja qual for o tipo de obra que se vai realizar, é de grande importância contar com a ajuda de uma construtora de confiança, pois exige um árduo trabalho de planeamento, desenho e optimização do terreno ou dos espaços que dispõe. disponíveis para trabalhar, bem como especialistas nos diferentes tipos de obras para poderem atender não só às necessidades do cliente, mas também ao tipo de solo, construção e benefícios que podem trazer à sociedade.

Para obter os melhores resultados, é imprescindível que os construtores tenham muita experiência e conhecimentos sobre os tipos de obras a realizar, bem como certas qualidades para realizar as diferentes ações e processos a seguir, que são em geral falando:

Planejamento O primeiro passo para uma obra é planejá-la, levando em consideração os terrenos disponíveis, suas características e as necessidades do cliente; O planeamento é vital para dar lugar a construções seguras e óptimas no aproveitamento dos espaços, mas também para que as obras se adaptem às necessidades dos cidadãos, proporcionando-lhes a protecção e resistência necessárias para que se mantenham de pé na. casos de desastres naturais, como terremotos ou inundações. Da mesma forma, um bom planejamento, com esboços e cálculos de materiais, ajuda a prevenir possíveis falhas no processo construtivo ou durante as operações e no dia a dia das pessoas que habitam ou utilizam os edifícios.

Exibição. Durante o planejamento, os construtores devem projetar o resultado das obras em sua mente e imaginação para posteriormente colocar no papel e mostrar ao cliente os processos que serão realizados, sem permitir que nenhum deles seja deslocado ou minimizado. Neste ponto, também levamos em consideração os detalhes que estão envolvidos na melhor experiência visual, a funcionalidade e o conforto dos clientes e pessoas que utilizam a construção.

Criatividade e inovação. Hoje em dia, as obras civis e privadas estão repletas de uma grande variedade de construções nas quais se utilizam diferentes desenhos e estilos, como os minimalistas; Por isso, é recomendável levar em consideração as últimas tendências e avanços do setor da construção, o cuidado com o meio ambiente, interiores, etc.

Muitas vezes não é possível construir onde já estava planejado, ou os projetos que foram traçados não são aprovados pelo cliente, por isso é importante ter a flexibilidade necessária para adaptar o projeto às necessidades do cliente e também ao demandas do piso, e até mesmo do orçamento disponível, sem abrir mão da estética ou da qualidade no resultado.

Como a construção em geral tem alto impacto na sociedade, é necessário administrar um alto nível de qualidade, pois a construtora é a responsável pela obra e fica de frente para o cliente. Para isso, requer um grupo de especialistas que ofereçam resultados precisos e seguros, com profundo conhecimento da construção, pois cada fundação deve ser apoiada por outra, e cada projeto tem seu impacto e seu nível de qualidade necessário, portanto, os profissionais da área devem ter conhecimento e habilidades na área.

Segurança e resistência. Presentemente verificámos que as condições ambientais e climáticas nem sempre são as mais adequadas para a construção, por exemplo quando se edifica em zonas de elevado risco sísmico; portanto, adversidades na construção devem ser consideradas; tais como: tipo de solo, clima e materiais disponíveis para desenvolver as construções seguras, duráveis ​​e resistentes de que a sociedade atual necessita.